Leia aqui o artigo publicado na revista científica “Our Economy” da editora “De Gruyter”.

Ricardo Ferraz (investigador no ISEG) e António Duarte (docente na Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra) estudaram a relação da dívida pública com o crescimento económico no período 1974-2014, tanto no caso isolado da economia portuguesa, como na média das economias dos ‘PIIGS’ (Portugal, Itália, Irlanda, Grécia e Espanha). No seu estudo aplicado, Ferraz e Duarte concluíram relativamente ao caso português que nos últimos 41 anos, o aumento de 1 ponto percentual na taxa de crescimento do rácio dívida pública/PIB esteve associado em média a uma redução de 0,13 pontos percentuais na taxa de crescimento real do PIB (no caso da média dos ‘PIIGS’ a redução foi no entanto mais acentuada, concretamente de 0,17 pontos). Relembrando trabalhos do FMI e também de Reinhart e Rogoff, os autores consideraram que os resultados obtidos “realçam a necessidade das economias periféricas da União Europeia adoptarem políticas orçamentais responsáveis, por forma a garantir que a dívida pública não aumentará significativamente. Caso contrário o crescimento económico poderá ficar comprometido”.