Skip to Content

Tag Archives: UE

Iniciativa “Deixem-nos Respirar”

Manifesto de PMEs, coordenado por Karl Heinz Stock, que reclamam contra o excesso de burocracia e, em particular, contra os novos procedimentos (a aplicar) em matéria de Guias de Transporte. (carregar no texto para acesso ao documento original)

World Economic Outlook – Abril 2013

“Global economic prospects have improved again, but the bumpy recovery and skewed macroeconomic policy mix in advanced economies are complicating policymaking in emerging market economies. Chapter 3 examines the prospects for inflation, particularly because inflation was remarkably stable in the wake of the Great Recession and, in fact, has become less responsive to cyclical conditions. Chapter 4 examines whether today’s fast-growing, dynamic low-income countries are likely to maintain their momentum and avoid the reversals that afflicted many such countries in the past.” Publicado ontem, dia 16/04/2013, FMI (carregar no texto para acesso ao documento original)

A Europa sem dono

“A população alemã não queria o euro. Quem quis o euro foram os franceses, que o impuseram à Alemanha como preço da unificação (…) O euro não traduz o poder alemão, mas o contrário: a debilidade alemã. A UE é uma união de frazquezas paroquiais”. Artigo de opinião de Rui Ramos, publicado no semanário Expresso, no passado dia 23/03/2013 (carregar no texto para acesso ao documento original)

Chipre e o fim do euro

“A confiança nos políticos europeus está nas ruas da amargura, porque já se perdeu a conta às vezes que eles disseram que algo não se iria fazer, para ser feito pouco tempo depois. Mas agora, a perda de confiança estende-se à banca, com previsíveis impactos terríveis na economia e no emprego.” Artigo de opinião de Pedro Braz Teixeira, publicado no Jornal de Negócios de hoje, dia 21/03/2013 (carregar no texto para acesso ao documento original)

As prioridades do ajustamento

Um excelente artigo de Lorenzo Bini Smaghi (LBS), publicado ontem (05/03) no Financial Times, a propósito do caso Italiano, tem evidentes aplicações também ao caso Português.

Sem se referir, directamente, a Portugal LBS desmonta a estratégia seguida desde o início do processo de ajustamento e, designadamente, desde o pedido de resgate em Maio 2011.

Sublinha que a alteração do comportamento dos “Mercados” foi determinante na decisão dos Governos iniciarem um verdadeiro “ajustamento”. Ou seja, só à beira do precipício do incumprimento generalizado de obrigações internacionais e de compromisso internos (salários, pensões, facturas de serviços essenciais) é que esses Governos se decidiram a actuar.

Regista, ainda, que quando decidiram fazê-lo procuraram o caminho politicamente mais fácil – o do aumento de impostos – como forma de atacar o défice orçamental. Deixaram, assim, para mais tarde, o caminho (mais penoso) das reformas estruturais que constituem o segundo pilar de qualquer processo de ajustamento, o que teve (e tem) consequências nefastas ao nível do potencial de crescimento.

Foi o receio da confrontação com os lobbies políticos, sindicais e corporativos que determinou esta ordem perversa de prioridades. No caso Português, isso traduziu-se numa reforma laboral “descafeinada” (e tardia) sem relação com a dimensão exagerada da reacção sindical, reacção que se verificou, aliás, em ocasiões anteriores em que a legislação laboral foi “mexida”. Traduziu-se, também, numa reformazinha dos mercados de utilities, particularmente da energia e telecomunicações. Traduziu-se, ainda e principalmente, no adiamento de uma verdadeira reestruturação das Administrações Públicas (a tal dos 4 mil milhões).

Esta inversão de prioridades, o agravamento da carga fiscal e o falhanço da redução da TSU por contrapartida do aumento do IVA (que o Forum defendeu publicamente desde Junho 2010) provocaram uma recessão económica bem mais profunda do que previsto.

Os que agora apontam o dedo pelo agravamento do desemprego e da crise económica foram, contudo, os primeiros a contestar as reformas estruturais e são, porventura, mais responsáveis por aquele agravamento do que o próprio Governo. Porque não se calam?

 

Forum para a Competitividade

06/03/2013

1 2 3 4 5 6
Power by

Download Free AZ | Free Wordpress Themes